domingo, 24 de agosto de 2008

Colorido original!



Entre os dedos, sinto desprender
Como se já não dependesse mais de mim
Algo forte, e capaz de resistir
Queria mais um tempo, mais momentos, mais desejos
Queria coisas simples, nada demais.
Nunca sonhei com uma vida cor de rosa
Ao contrário eu sou multicolor
Queria presença marcada
História contada, em um pedaço de papel.
Rabiscos de caneta não valem, passe o giz de cera,
e deixa o colorido surgir, esqueça o preto e branco
seja natural, de vida aos nossos momentos,
quero sair da moldura, ser a criatura,
que sempre foi sua, mais impressa em um colorido original.

6 comentários:

Kátia disse...

Que lindo!Nada como voltar e ver um post com uma imagem e texto tão originais.
Obrigada pela partilha!
Beijo!

Tyr Quentalë disse...

Perfeito. Uma declaraação tão bela quanto esta, merece ser guardada na memória.

borboleta disse...

poema msm lindo ;)

Mulher é tudo bandida disse...

Olha se não me é cara à alma, meu regresso e ver tão lindo poema. Esse lugar sempre me acalmou. Não sei se é a impressão de que estou num jardim quando venho aqui.
Fiquei longe um tempão né, Nanda?
Será que ainda lembra de mim?
Bela poesia.

Beijos!

Troll disse...

A imagem por si só já passa uma mensagem maravilhosa. As palavras a tornam uma belíssima homenagem. Muito bom, caríssima, de uma poética nada óbvia, tão bela.

Ferdi disse...

Adorei. Sou totalmente colorida...às vezes meio frutacor...adoro cores...gosto de pensar que os nomes tem cores. Acho que vou escrever sobre isso no meu blog...rs
Bjos!!!